terça-feira, 27 de abril de 2010

QUE MALVADA!

Contei à insônia
Os desejos da tarde.
Ela sorriu zombeteira,
Depois me prendeu à cadeira,
Curiosa por detalhes...

Essa insônia é malvada!
Ri, fazendo piada,
De minhas profundas olheiras...
Baixo os olhos sorrindo
E conto nos dedos os segredos
Que ainda estão por vir...

Ela conhece todos, a esperta!
Me olha nos olhos em confabulação atrevida.
Que menina danada!
Não lhe posso ocultar nada!

-Então lhe trago bem pertinho de mim.
Com a mão prendo o coração dela ao meu.
Escuto seus passinhos se alojando e sentando.
Caminho feliz ao seu encontro.
Amo-te só ao te olhar.
Você despe sua alma dentro da minha
E me convida a sonhar.
Abro os olhos e eles já estavam abertos...
Agora sempre abertos...
E a insônia cai tra trás de tanto rir!

6 comentários:

... disse...

muito bom esse poema, leve e divertido. falar de insonia dessa forma foi massa sô.

Tathiana Treuffar disse...

Obrigadinha... ;)

Zélia Guardiano disse...

Adorei teu poema, teu estilo, teu espaço! Tudo!
Por isso virei sempre: sigo-te...
Abraço

Tathiana Treuffar disse...

Zélia, venha sempre que quiseres! Serás sempre muito bem vinda!!!
beijos e obrigada.

Carol Freitas disse...

Tathiana, adorei seu espaço! Encontrei-me em algumas palavras, e isso fez com que eu me sentisse em casa.

Vou voltar. Vou seguir.

Um beijo!

Tathiana Treuffar disse...

Obrigada, Carol!
Feliz que tenha curtido, será sempre bem vinda!
beijos.